Grama da Copa do Mundo tem toque brasileiro e é regada com água do mar; entenda

Platinum TE Paspalum, usada nos jogos de 2022, foi melhorada geneticamente a partir da Paspalum Vaginatum, espécie nativa do Brasil, da Austrália e do continente africano. Variedade é resistente ao calor extremo.

Ainda não dá para dizer que a taça da Copa do Mundo de 2022 é nossa, mas, pelo menos, a grama usada nos oito estádios do Catar tem um toque brasileiro antes de ter sido melhorada geneticamente nos EUA, para ter as características ideais para o torneio.

Além disso, uma empresa do Brasil foi responsável por instalar essa variedade em cinco dos oito estádios da Copa. O país, porém, ainda não tem o registro da grama modificada geneticamente e, portanto, não pode produzi-la.

Essa grama usada no Catar é a Platinum TE Paspalum, nome da patente originária de uma modificação genética feita a partir da espécie Paspalum Vaginatum, que é nativa do Brasil, mas também da Austrália e do continente africano.

O principal ponto forte dela é a adaptabilidade a climas extremamente quentes e secos — como o do Catar — além de ter capacidade de irrigação com água do mar.

Patenteada nos EUA

A grama tem maior incidência em áreas litorâneas do Brasil, com presença em todos os estados do Nordeste e Sul e em alguns do Sudeste, Centro-Oeste e Norte, segundo mostra um catálogo do governo brasileiro chamado Flora do Brasil.

Apesar da presença da espécie por aqui, a patente usada na Copa do Mundo de 2022 tem dificuldade de ser importada por conta da burocracia que o processo exige, comenta o agrônomo Patrick Ferreira.

Segundo ele, a importação pode levar até dois anos para ser aprovada pelo governo.

“Além de passar pela quarentena, ela precisa passar por um laudo — de estar isenta de pragas, doenças e plantas daninhas — que é uma outra empresa que precisa fazer, é uma situação bem complexa.”

Origem da grama

A espécie também é nativa da África e da Austrália e especula-se que ela tenha sido levada para os EUA durante o século 18, em meio às navegações do período, segundo um estudo acadêmico do pesquisador James Beard, da Universidade Texas A&M.

Três séculos depois, no ano de 2005, a espécie foi objeto de um programa de melhoramento genético nos EUA, liderado pelo pesquisador Ron Ducan. A pesquisa deu origem à Platinum, que teve a sua patente registrada em 2007.

Últimas

How to successfully execute influencer strategies

His wherein male land form. Own whose they're gathered is let male kind from. A you'll life waters evening fly female won't...

Pai e filho responderão por feminicídio e ocultação de cadáver

Em 2 de agosto, os réus Cláudio da Silva Rosa e Wilker da Silva Rosa, pai e filho, serão julgados pelo Tribunal do...

A imprevisibilidade dos impactos da Guerra

As guerras são por natureza imprevisíveis e suas consequências inesperadas. No caso específico da invasão Russa contra a Ucrânia até pouquíssimo tempo atrás diversos...

Fazendeiro que aparece em vídeo abraçado com onça morta a tiros se apresenta à polícia em MT

O fazendeiro Benedito Nédio Nunes Rondon, que aparece em um vídeo abraçado a uma onça-pintada morta com um tiro na cabeça, em Poconé,...

Paris Saint-Germain tem novo patrocinador

O Paris Saint-Germain (PSG), anunciou a Qatar Airways como sua nova patrocinadora máster. Com isso, a logomarca da companhia aérea estampará as camisas do...