Perdão a Silveira ajuda Bolsonaro a recuperar confiança de radicais

Ao desafiar via decreto uma decisão criminal do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro (PL) agiu para estancar uma erosão em sua base de apoio que vinha se agravando à medida que ele entregava poder, cargos e verbas aos aliados do Centrão. Com o perdão presidencial ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), militantes mais radicais, que chegaram a ameaçar um rompimento eleitoral, estão voltando para as fileiras do bolsonarismo.

Esses bolsonaristas mais ideológicos, liderados pelos deputados federais Carla Zambelli (PL-SP) e Carlos Jordy (PL-RJ), já se mobilizam para retomar as ruas no dia 1º de maio, em manifestações que terão o objetivo de apoiar a subida de tom do presidente e dar lastro popular a essa pressão renovada contra o STF. Essa militância estava se afastando de Bolsonaro desde que ele recuou das ameaças que fez durante atos com pauta antidemocrática em 7 de setembro do ano passado.

A trégua com o Supremo ajudou Bolsonaro a consolidar sua aliança com o Centrão, mas melindrou aliados de primeira hora da que ficou conhecida como “ala ideológica”, como os ex-ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Abraham Weintraub, da Educação.

Weintraub (PMB), aliás, tentou se tornar líder de uma espécie de bolsonarismo sem Bolsonaro, e trabalha para lançar candidatura ao governo de São Paulo que seja uma alternativa à chapa oficial do bolsonarismo, liderada pelo ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos).


Essa dissidência vinha preocupando o entorno do presidente às vésperas do início oficial da campanha, E a retomada radical foi um movimento que contou com o apoio até da ala mais pragmática dos governistas, que estão cientes da importância dessa militância aguerrida, sobretudo na campanha digital.

Por enquanto, a movimentação de Bolsonaro está dando resultado. Desde a graça concedida a Silveira, Weintraub tem gastado seu tempo nas redes sociais respondendo a cobranças pelas críticas que tem feito a Bolsonaro, a quem acusa de ter abandonado os conservadores e se entregado ao Centrão fisiológico.

O ex-ministro da Educação não recuou totalmente de suas posições, mas baixou o tom, e, apesar de dizer que ainda não acredita que seja uma “mudança definitiva na postura do presidente”, reconhecerá o “erro” e pedirá desculpas “caso isso fique de pé por duas semanas”.

Interação de Weintraub no Twitter

Amolecendo os críticos

O perdão a Silveira está levando outros influenciadores de extrema direita que vinham batendo em Bolsonaro a baixarem o tom. Um exemplo é do médico Alessandro Loiola, que ficou célebre entre os apoiadores radicais do presidente ao se tornar um dos porta-vozes do negacionismo sobre a gravidade da pandemia de coronavírus.

Na quinta-feira (21/4), dia do anúncio e da publicação do decreto, Loiola postou uma mensagem de “parabéns pela atitude”. Na sexta (22/4), porém, o médico fez um alerta: “Celebremos, sim, mas cientes de que esta única vitória está longe de encerrar a guerra instalada em 2018”.

Postagem de Loiola com referência ao Dia D, quando tropas aliadas desembarcaram na Normandia e começaram a mudar a história da Segunda Guerra Mundial

Radicais exigem mais perdões

O desafio de Bolsonaro para não frustrar, de novo, sua militância mais radical nem voltar a se indispor com políticos pragmáticos que fecharam com ele é buscar um equilíbrio entre o embate e a trégua.

Para seguir acreditando que o presidente não abandonou seus compromissos ideológicos, seus militantes cobram que ele não apenas lute a fim de que o decreto que trata de Silveira seja mantido, mas que sua caneta seja usada com o objetivo de livrar da Justiça outros bolsonaristas investigados ou denunciados.

E um movimento nesse sentido está nos planos do governo,

Segundo Amado, o governo prepara indultos para o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) e os ativistas extremistas Oswaldo Eustáquio e Allan dos Santos. Nesses casos, no entanto, os textos devem ser enviados ao Congresso, não publicados no formato de decretos.

Para os radicais, porém, ainda falta gente nessa lista. São citados os nomes de outros ativistas que estão presos ou estão usando tornozeleiras, como Zé Trovão, Sara Winter e Wellington Macedo.

E agora?

Um esforço verdadeiro de Bolsonaro para tentar ajudar esses radicais na mira da Justiça será fundamental a fim de manter essa renovação de confiança em militantes como a ex-deputada federal Cristhiane Brasil (PTB-RJ), filha de Roberto Jefferson, que vinha cobrando do presidente ajuda para tirar o pai da cadeia e, nos últimos dias, celebrou a decisão de Bolsonaro em relação a Silveira.

Os obstáculos do presidente nesse caminho devem ser a atuação da oposição, que já tenta derrubar, no Supremo e no Congresso, o decreto que beneficiou Silveira, e seus próprios aliados menos radicais, que não pretendem dar a Bolsonaro um “cheque em branco” para desafiar o Judiciário.

Apesar de estar sendo tratado como traidor por uma ampla porção da militância, o ministro André Mendonça, indicado por Bolsonaro ao Supremo, mostrou em seu voto condenando Silveira e na justificativa que deu nas redes sociais que há setores na militância, principalmente entre os evangélicos, que já não estão felizes com a radicalização.

“Diante das várias manifestações sobre o meu voto ontem [quarta], sinto-me no dever de esclarecer que: como cristão, não creio tenha sido chamado para endossar comportamentos que incitam atos de violência contra pessoas determinadas”, escreveu Mendonça, em uma publicação no Twitter na última quinta (21/4).

Últimas

Prefeitura de Canoas abre mais 800 vagas para creches

A Prefeitura Municipal de Canoas realiza nesta sexta-feira (11), um sorteio complementar de vagas que definem a ordenação dos inscritos na modalidade...

Passion for fashion turned into a freelance career

His wherein male land form. Own whose they're gathered is let male kind from. A you'll life waters evening fly female won't...

16 capitais têm multa para a falta de máscara; são mais de 8 mil punições aplicadas em todo o país

Uso de máscara em locais públicos é obrigatório no Brasil. Objetivo é diminuir a transmissão da Covid-19, que ocorre principalmente pelo ar. Especialista diz...

New data reveals huge people trust in influencers

His wherein male land form. Own whose they're gathered is let male kind from. A you'll life waters evening fly female won't...

Em 24 horas, Brasil registra 22 mil casos e 630 mortes por Covid-19

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 22 mil casos e 630 novas mortes causadas pela Covid-19. Os dados foram divulgados em boletim do...