Inflação nos EUA sobe 0,4% em outubro e acumula alta de 7,7% em 12 meses

Resultado foi mais ameno que as expectativas de mercado para a inflação americana, o que pode fazer o Federal Reserve (Fed) aliviar a subida de juros no país.

A inflação nos Estados Unidos subiu 0,4% em outubro, de acordo com dados do Departamento do Trabalho do país nesta quinta-feira (10). Em 12 meses, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) acumula alta de 7,7%, contra a variação positiva de 8,2% registrada em setembro.

Segundo o órgão, a taxa em 12 meses teve o menor aumento em 12 meses desde o período encerrado em janeiro de 2022.

O resultado foi mais ameno que as expectativas de mercado para a inflação americana, o que pode fazer o Federal Reserve (Fed) aliviar a subida de juros no país. Economistas ouvidos pela Reuters esperavam alta de 8% nos 12 meses terminados em outubro.

O CPI é a medida da variação média ao longo do tempo dos preços pagos pelos consumidores urbanos em uma cesta de bens e serviços de consumo.

A inflação americana voltou a ser pressionada pelos preços de energia (1,8%) depois de três meses de queda, com destaque para a gasolina (4%) e diesel (19,8%). Em 12 meses, o índice de energia aumentou 17,6%.

“O ÍNDICE DE ACOMODAÇÃO CONTRIBUIU COM MAIS DA METADE DO AUMENTO MENSAL DE TODOS OS ITENS, COM OS ÍNDICES DE GASOLINA E ALIMENTAÇÃO TAMBÉM AUMENTANDO”, DIZ DEPARTAMENTO DO TRABALHO.

O índice de alimentos desacelerou e registrou aumentou 0,6% em outubro, após um aumento de 0,8% em setembro. Foi o menor aumento mensal desse índice desde dezembro de 2021. Em 12 meses, a alta é de 10,9%.

Já o núcleo da inflação, que une todos os itens exceto alimentos e energia, subiu 0,3% em outubro, após um aumento de 0,6% em setembro. Na janela de 12 meses, teve alta de 6,3% nos últimos 12 meses.

Juros nos EUA

Na semana passada, o Federal Reserve aumentou novamente a taxa de juros dos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual, mas sinalizou que futuros aumentos podem ser menores por conta do “aperto acumulado da política monetária” até agora. A decisão deixou a taxa de juros em uma faixa entre 3,75% e 4%.

O órgão considera que o impacto do rápido ritmo de aumento de juros ainda está em evolução e há um desejo de acertar um nível para os juros “suficientemente restritivo para levar a inflação a 2% ao longo do tempo”.

“Ao determinar o ritmo de aumentos futuros, o Comitê (Federal de Mercado Aberto) levará em conta o aperto acumulado da política monetária, a defasagem com que a política monetária afeta a atividade econômica e a inflação, e acontecimentos econômicos e financeiros”, disse o banco central dos EUA.

A linguagem o perigo de que grandes aumentos contínuos dos juros possam estressar o sistema financeiro ou desencadear uma recessão. Apesar de a inflação permanecer mais de três vezes maior que a meta de 2%, o Fed está agora em uma fase de “ajuste fino”.

Últimas

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Tami Vitti: Lançamento Nacional

Na última Sexta Feira (06/11/20) Tami Vitti lançou o clipe da sua primeira música autoral Agora eu Mudei. Segundo...

Programação na Copa do Mundo

O programa Encontro, comandado por Patrícia Poeta, que vem inspirando reclamações por falta de química da apresentadora, ficará fora do ar 28 dias, em novembro...

Paolla Oliveira é eleita a mulher mais sexy do mundo

A atriz Paolla Oliveira foi escolhida como a mulher mais sexy de 2021 em votação realizada pelo Clube da Vip. Após terminar em oitavo...