Inflação: dos 50 itens que mais encareceram em junho, 34 são alimentos

Na gôndola do supermercado o consumidor não tem dúvida: está cada mais mais caro encher o carrinho. Nos últimos 12 meses, dos 50 produtos que mais encareceram, 34 são alimentos.


Os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, foram divulgados nesta sexta-feira (8/7).

Mas não é só: pepino (95,81%), cenoura (83,99%), abobrinha (82,99%), melão (78,3%), batata-inglesa (76%), morango (75%), mamão (74,5%) e tomate (67%) registraram as maiores altas.

Segundo o monitoramento, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em junho o leite longa vida aumentou 10,72%. Já o feijão-carioca teve alta de 9,74%.

A lista de disparada de preços é composta ainda por itens como farinha de trigo, açúcar e macarrão, entre outras frutas e legumes.

Além das questões internas, fatores como a guerra no Leste Europeu impactam no panorama. Como a Rússia e a Ucrânia são os maiores produtores mundiais de trigo, o conflito mexeu com o mercado.

No Brasil, o encarecimento do milho e da soja, usado na ração do gado e aves, puxou para cima o preço do leite e derivados, da carne bovina e da carne de frango. Apesar de ser um grande produtor de carnes bovina e de frango, o país tem contratos de exportação que precisam ser respeitados.

A inflação do setor de alimentação e bebidas fechou junho com alta de 0,8%, a terceira maior entre os nove setores analisados. Segundo o IBGE, o IPCA cresceu 0,67% em junho. Em maio, a alta foi de 0,47%.

Cesta básica salgada

Em nove das 17 capitais estudadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) o valor da cesta básica aumentou.

Segundo a pesquisa, entre maio e junho deste ano, as maiores altas na cesta básica ocorreram no Nordeste, nas cidades de Fortaleza (4,54%), Natal (4,33%) e João Pessoa (3,36%).

Na contramão, oito cidades apresentaram reduções, sendo que as mais expressivas foram registradas no Sul: Porto Alegre (-1,90%), Curitiba (-1,74%) e Florianópolis (-1,51%).

Depois de São Paulo, onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo (R$ 777,01), estão Florianópolis (R$ 760,41), Porto Alegre (R$ 754,19) e Rio de Janeiro (R$ 733,14).

Nas cidades do Norte e Nordeste, os menores valores médios foram registrados em Aracaju (R$ 549,91), Salvador (R$ 580,82) e João Pessoa (R$ 586,73).

A comparação do valor da cesta entre junho de 2022 e junho de 2021 mostrou que todas as capitais tiveram alta de preço, com variações que oscilaram entre 13,34%, em Vitória, e 26,54%, em Recife.

No ano de 2022, o custo da cesta básica apresentou alta em todas as cidades, com destaque para as variações de Natal (15,53%), Aracaju (15,03%), Recife (15,02%) e João Pessoa (14,86%).

Últimas

Produções da Marvel serão retiradas do catálogo da Netflix

essica Jones é uma das produções que serão retiradas da plataforma Os assinantes da Netflix poderão assistir as produções da Marvel na plataforma apenas até 1º...

Homem morre após ser esfaqueado durante desentendimento por ciúmes de mulher em Palmas

Um homem foi esfaqueado e morreu neste domingo (19) em Taquaralto, na região sul de Palmas. Segundo a Polícia Militar (PM), a...

STF forma maioria contra incidência de ICMS sobre venda de software

O Supremo Tribunal Federal (STF) vedou a cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre software. A maioria do Supremo entendeu...

Joe Biden assina lei que regulamenta armas de fogo: “Salvará vidas”

Washington, EUA - Joe Biden assinou neste sábado (25/6) a lei que visa estabelecer a regulamentação das armas de fogo, a mais importante...

Banda Gatinha Manhosa lança EP com músicas inéditas

Sucesso no Brasil, a banda Gatinha Manhosa lançou EP com oito músicas inéditas nas plataformas digitais. Chamado de “Novo Tempo”, o novo trabalho do...