Abono salarial de 2019 esquecido por trabalhadores já pode ser pedido; saiba como fazer

Cerca de 320 mil trabalhadores que não sacaram o abono salarial de 2019 já podem pedir a retirada dos valores. O prazo começou na última quinta-feira (31). Originalmente, o prazo começaria em 8 de fevereiro, mas foi adiado pelo Ministério da Previdência e Trabalho.

O abono referente aos meses trabalhados em 2019 poderá ser pedido presencialmente, por telefone, por aplicativo ou por e-mail. Segundo o ministério, R$ 208,5 milhões foram esquecidos por 320.423 trabalhadores que deveriam ter feito o saque até 30 de junho de 2021.

Quem optar pelo saque presencial deve ir a uma das unidades de atendimento do Ministério do Trabalho e Previdência para pedir a abertura de recurso administrativo para reenvio do valor à Caixa Econômica Federal, no caso do Programa de Integração Social (PIS), ou ao Banco do Brasil, no caso do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep).

O pedido também pode ser feito pela central Alô Trabalhador, no telefone 158. Também é possível fazer o procedimento, por e-mail, enviando o pedido de recurso administrativo para o endereço trabalho.uf@economia.gov.br. As letras “uf” devem ser trocadas pela sigla do estado onde o trabalhador habita.

Por fim, o pedido pode ser realizado pelo aplicativo Carteira de Trabalho Digital, disponível para os celulares dos sistemas Android e iOS. O ministério recomenda ao trabalhador atualizar o aplicativo para que possa verificar se tem direito ao benefício, o valor do abono, a data de saque e o banco para recebimento. O Portal Gov.br, também fornecerá essas informações.

Quem tem direito

Tem direito ao benefício o trabalhador inscrito no PIS/Pasep há, pelo menos, cinco anos, e que tenha trabalhado formalmente por, no mínimo, 30 dias no ano-base considerado para a apuração, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que os dados tenham sido informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O valor do abono é proporcional ao período em que o empregado trabalhou com carteira assinada em 2020. Cada mês trabalhado equivale a um benefício de R$ 101, com períodos iguais ou superiores a 15 dias contados como mês cheio. Quem trabalhou 12 meses com carteira assinada receberá o salário mínimo cheio, que atualmente é de R$ 1.212.

O benefício não é pago aos empregados domésticos. Isso porque o abono salarial exige vínculo empregatício com uma empresa, não com outra pessoa física. Jovens aprendizes também não têm direito.

Com informações da Agência Brasil

Últimas

Anitta confirma a cura do pai após diagnóstico de câncer

Anitta chocou os fãs ao anunciar que seu pai sofreu um AVC e, na última terça-feira, (7), contou que ele foi diagnosticado com um câncer...

PIB brasileiro cresce 1% no primeiro trimestre de 2022

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1% no primeiro trimestre de 2022, na comparação com o quarto trimestre de 2021. Frente...

Murilo Huff faz homenagem para Marília: “Comemorando ao lado de Deus”

Nesta sexta-feira (22), Murilo Huff homenageou Marília Mendonça, no dia em que a artista completaria 27 anos. “Infelizmente, pelo primeiro ano desde que te...

Autópsia do corpo de Maradona aumenta evidências de erro médico

Relatório aponta presença de substâncias encontradas em remédios contra ansiedade e depressão, sem registro de álcool e drogas ilícitas O relatório da autópsia feita no...

Bolsonaro ao STF: “Bota tua toga e fica aí, sem encher o saco”

Em cerimônia no Palácio do Planalto para marcar a saída de nove ministros de Estado que irão disputar as eleições, nesta quinta-feira...