Por coronavírus, governo prevê que dívida pública alcance 96% do PIB neste ano

O governo federal estima que os gastos para combater o novo coronavírus farão a dívida pública alcançar 96% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, segundo o Relatório de Projeções da Dívida Pública divulgado nesta sexta-feira, 30. De acordo com o Ministério da Economia, o endividamento vai manter sequência de alta até alcançar pico de 100,8% de todas as riquezas produzidas pelo país em 2026, e então iniciar um lento processo de declínio. Para 2029, a estimava é que o déficit público consuma 98% do PIB. A previsão para este ano representa alta de 20,2 pontos percentuais em relação ao encerramento de 2019. Também nesta sexta, o Banco Central divulgou que a dívida pública alcançou o patamar inédito de 90,6% do PIB em setembro. “O incremento de tais indicadores, comparativamente a 2019, é atribuído, sobretudo, às consequências da crise deflagrada pelo novo coronavírus, cujo caminho de recuperação demandará um esforço fiscal de médio prazo ainda mais intenso do que se vislumbrava antes da pandemia”, informou a equipe econômica.

Em um cenário sem a pandemia, a dívida pública ficaria em 77,9% do PIB neste ano, e chegaria ao pico de 79,4% em 2023 antes de iniciar processo de regressão e chegar em 2029 a 72,5%. De acordo com os técnicos do ministério, as despesas extraordinárias do novo coronavírus geraram impacto de R$ 587 bilhões no resultado primário. “Embora as despesas extraordinárias sejam temporárias, os gastos adicionais com juros delas decorrentes se estendem ao longo do
tempo. O contexto de taxas de juros baixas atenua o impacto sobre a conta de juros da dívida no curto prazo”, informou. Nesta semana, o Comitê de Polícias Econômicas (Copom) do Banco Central manteve a Selic, a taxa básica de juros brasileira, a 2% ao ano.

Segundo os técnicos, o compromisso com a agenda de reformas é fundamental para a reversão da escalada. “A continuidade de reformas estruturais que promovam um crescimento sustentável e a consolidação fiscal são essenciais para permitir uma dinâmica favorável da dívida pública no médio prazo. Sem o necessário ajuste fiscal e a persistência de déficits primários, não apenas será improvável reverter a trajetória ascendente da dívida, como essa trajetória será acelerada, à medida que as taxas de juros reais aumentem”.

O Ministério da Economia também chamou atenção para a mudança no perfil da dívida e os riscos ao financiamento. “A parcela da Dívida Pública Federal que vence em até 12 meses (títulos curtos) deve alcançar 17,2% do PIB ao final de 2020, patamar significativamente acima da média histórica registrada entre 2006 e 2019, de 10,7%. Essa mudança no perfil de vencimento da dívida é condizente com períodos de crise, em que há menor apetite ao risco, maior preferência por liquidez e déficits elevados. A recuperação econômica e a redução das incertezas macrofiscais são condições necessárias para a reversão desse quadro”, informaram os técnicos.

Últimas

Governo não tem recursos para pagar 13º do Bolsa Família

O governo federal não tem recursos para o pagamento do 13º salário aos beneficiários do Bolsa Família em 2020. Segundo nota enviada pelo Ministério...

RS apresenta três regiões classificadas em risco alto

Há, ainda, 16 locais com bandeira laranja e dois com risco baixo para o contágio de coronavírus Ijuí...

Johnny Depp é retirado da franquia ‘Animais Fantásticos’ a pedido da Warner Bros

O ator Johnny Depp anunciou nesta sexta-feira, 6, pelo Instagram que não faz mais parte da franquia “Animais Fantásticos”. Ele deixa de interpretar o...

Viih Tube é roubada no próprio apartamento durante reforma: “Arrombaram”

Na última quinta-feira (11), a ex-BBB  Viih Tube  revelou uma situação delicada nas redes sociais. A influencer compartilhou com seus seguidores do Instagram uma situação bem chata que...

DJ Ivis é visto no Garota Vip em São Paulo

DJ Ivis no Garota Vip em São Paulo – (Foto: Reprodução/Internet) O cantor DJ Ivis foi flagrado, neste sábado (4), no Garota Vip, em São...