Justiça impede Maiara e Maraísa de usar a marca “As Patroas”

Em decisão liminar proferida no último dia 8 de junho, o juiz de Direito substituto Argemiro de Azevedo Dutra, da 2ª vara Empresarial de Salvador/BA, proibiu que a dupla Maiara e Maraísa e o escritório WorkShow, que cuida da carreira das sertanejas – e também era responsável pelo empresariamento de Marília Mendonça – utilizem a marca “As Patroas”, no singular ou no plural, sob pena de multa de R$ 100 mil. A proibição vale para publicidades e eventos, por meio físico ou virtual.

A decisão foi acessada pelo colunista do UOL Lucas Pasin.

O imbróglio começou após a cantora baiana Daisy Soares denunciar à Justiça o uso indevido da marca “As Patroas”, que seria de sua propriedade registrada no INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Ela diz que desde 2013 se apresenta com esse “lema” e que foi ganhando espaço com o nome no mundo musical.

O argumento foi acolhido pelo juiz, que verificou representes os requisitos para a concessão da liminar.

No entendimento do magistrado, Daisy conseguiu provar, por meio de documentos, que é proprietária da marca “As Patroas”.

Ainda cabe recurso da decisão.

Últimas

Corte em imposto tem efeito tímido e alimentos seguem com preço alto

A inflação não cede e o brasileiro sente cada vez mais o peso da disparada do preço dos alimentos no bolso.

O cachê milionário de sertanejo

Depois de Roraima e Minas Gerais, as investigações do Ministério Público sobre cachês milionários de cantores sertanejos chegaram ao Rio. Gustavo Lima foi contratado...

José Carlos Sanches, estrela de ‘Por Amor’, é encontrado morto em apartamento

Na última sexta-feira (25) o ator José Carlos Sanches, de 67 anos, foi encontrado morto em seu apartamento, no Rio de Janeiro. A polícia...

Felippe Valadão é acusado de atacar religiões de matriz africana

O pastor Felippe Valadão, líder da Lagoinha Niterói, foi acusado de ter atacado religiões de matriz africana em um evento oficial de Itaboraí,...

Facebook é multado em R$ 10 mi após ignorar tráfico ilegal de animais na rede

O Facebook foi multado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em R$ 10,1 milhões devido à venda ilegal de animais...