Fernando Sanchez Resende: “Devemos pensar em como aplicar fontes renováveis de energia na logística”

A demanda global por serviços de transporte cresce rapidamente a cada ano. Estudos preveem que a atividade do tráfego de passageiros e carga, dadas as tendências atuais da indústria de transporte, deve dobrar até 2050. Apesar de indicar progresso social e econômico, este crescimento leva a um aumento no consumo de energia e das emissões de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera. 
 
Para o diretor geral da GES Logística no Brasil, Frederico Sanches Resende, a partir deste dados, é importante pensar em como aplicar fontes renováveis de energia nos meios de transporte. “No setor de transporte aéreo por exemplo, as emissões da aviação aumentaram 70% desde 2005. No entanto, algumas providências já estão sendo tomadas ao redor do mundo visando reduzir o CO2 e prevenir o aquecimento global”, afirma.
 
Segundo Frederico Resende, já existem notícias de aviões que podem voar utilizando fontes de energia renovável, que poderão ser gerada por painéis solares no aeroporto, por exemplo. O primeiro avião comercial elétrico do mundo foi apresentado em Paris em junho de 2019. “Podemos afirmar que, em um futuro não muito distante, o setor de aviação será 100% renovável”, prevê.
 
Já o transporte ferroviário pode ser apontado como um dos meios de transporte mais eficientes em termos de energia para o transporte de cargas e passageiros. De acordo com Frederico Sanches Rezende, no Brasil o modal ferroviário, juntamente como o rodoviário, é de grande importância para a exportação de insumos, possibilitando que cheguem aos portos nacionais. “De modo geral, nosso país ainda depende muito do setor rodoviário para o escoamento de cargas. Cerca de 61% de todas as cargas transportadas passam pelas rodovias nacionais, enquanto que pelo modal ferroviário passam pouco menos de 22%”, afirma Frederico Sanchez Resende. 
 
Em relação ao transporte por veículos automotores como automóveis, ônibus e caminhões, análise da Agência Internacional de Energia (AIE) aponta que os carros elétricos têm um potencial de crescimento significativo. Estima-se que em 2030 pode haver mais de 10 milhões de ônibus e carros elétricos. “Essa projeção indica que devemos nos preparar para muitas mudanças nos próximos anos. A possibilidade de reduzir a poluição emitida pelos veículos de carga nas cidades significa uma grande melhora na qualidade de vida de todos”, conclui Frederico Resende.
 

Últimas

Barroso determina prosseguimento do impeachment de Carlos Moisés

Segundo o ministro, a decisão da Justiça estadual ofendeu o entendimento do STF Ao suspender o trâmite do processo, o TJ-SC entendeu que...

Maisie Williams, de ‘Game of Thrones’, busca vingança pela morte do pai em nova minissérie da HBO

A HBO Max divulgou na quarta-feira, 28, o trailer da sua nova minissérie, “Two Weeks to Live“, protagonizada por Maisie Williams, de “Game of...

Autonomia não distancia Banco Central do regime de metas, diz Campos Neto

Apesar de ter aceitado um mandato duplo em seu projeto de autonomia, o Banco Central (BC) não está se distanciando do regime de metas...

Jairo Jorge deixou rastro de destruição no Ensino de Canoas

A administração municipal de Sapucaia do Sul demonstrou grande coragem, ou inconsequência, quando entregou ao ex-prefeito de Canoas, Jairo Jorge, a titularidade da secretaria...

Após prisão, blogueira que acusou ex-marido de agressão é solta

A blogueira Sayma Dualibe, de 24 anos, foi presa por suspeita de porte ilegal de arma, receptação e falsificação de documento público Alan Kleyson Barbosa...