Fernando Sanchez Resende: “Devemos pensar em como aplicar fontes renováveis de energia na logística”

A demanda global por serviços de transporte cresce rapidamente a cada ano. Estudos preveem que a atividade do tráfego de passageiros e carga, dadas as tendências atuais da indústria de transporte, deve dobrar até 2050. Apesar de indicar progresso social e econômico, este crescimento leva a um aumento no consumo de energia e das emissões de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera. 
 
Para o diretor geral da GES Logística no Brasil, Frederico Sanches Resende, a partir deste dados, é importante pensar em como aplicar fontes renováveis de energia nos meios de transporte. “No setor de transporte aéreo por exemplo, as emissões da aviação aumentaram 70% desde 2005. No entanto, algumas providências já estão sendo tomadas ao redor do mundo visando reduzir o CO2 e prevenir o aquecimento global”, afirma.
 
Segundo Frederico Resende, já existem notícias de aviões que podem voar utilizando fontes de energia renovável, que poderão ser gerada por painéis solares no aeroporto, por exemplo. O primeiro avião comercial elétrico do mundo foi apresentado em Paris em junho de 2019. “Podemos afirmar que, em um futuro não muito distante, o setor de aviação será 100% renovável”, prevê.
 
Já o transporte ferroviário pode ser apontado como um dos meios de transporte mais eficientes em termos de energia para o transporte de cargas e passageiros. De acordo com Frederico Sanches Rezende, no Brasil o modal ferroviário, juntamente como o rodoviário, é de grande importância para a exportação de insumos, possibilitando que cheguem aos portos nacionais. “De modo geral, nosso país ainda depende muito do setor rodoviário para o escoamento de cargas. Cerca de 61% de todas as cargas transportadas passam pelas rodovias nacionais, enquanto que pelo modal ferroviário passam pouco menos de 22%”, afirma Frederico Sanchez Resende. 
 
Em relação ao transporte por veículos automotores como automóveis, ônibus e caminhões, análise da Agência Internacional de Energia (AIE) aponta que os carros elétricos têm um potencial de crescimento significativo. Estima-se que em 2030 pode haver mais de 10 milhões de ônibus e carros elétricos. “Essa projeção indica que devemos nos preparar para muitas mudanças nos próximos anos. A possibilidade de reduzir a poluição emitida pelos veículos de carga nas cidades significa uma grande melhora na qualidade de vida de todos”, conclui Frederico Resende.
 

Últimas

Os advogados famosos

Muitas celebridades, que muitos nem imaginam, possuem graduação em Direito e com carteira da OAB ativa. Entre tantos estão: Renato Aragão (Didi)  formado pela...

Após Klara Castanho, Aline Campos revela também ter sido vítima de estupro

Após o forte relato de Klara Castanho, que foi estuprada, Aline Campos prestou apoio à atriz: “Pensem numa mulher especial. Klara, você é luz...

Putin sobe o tom de ameaça e diz que guerra na Ucrânia “mal começou”

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, subiu o tom e disse que a Rússia “mal começou” a ofensiva contra a Ucrânia. Em reunião com líderes...

Racionamento de comida e falta de água atingem o Amapá após apagão

Moradores da cidade de Macapá, capital do Amapá, vêm relatando que está faltando água e que eles estão tendo que racionar alimentos após o...

Incerteza nos mercados globais faz dólar alcançar R$ 5,79, maior cotação desde maio

O dólar disparou nesta quarta-feira, 28, em meio ao clima de incertezas no mercado financeiro global gerado pela aproximação das eleições nos Estados Unidos...