Com a pandemia, atividades culturais a distância animam brasileiros

Em casa desde março, Ana Beatriz Gonçalves, de 22 anos, pensou que não fosse mais conseguir acompanhar séries e shows por causa da nova rotina. Mas aconteceu o contrário. A estudante conta que a praticidade de assistir tudo pela tela do celular, fez com que ela conseguisse organizar melhor para não deixar o lazer de lado. “Estando em casa, trabalhando em casa e também estudando em casa me deu um espaço. O tempo que eu levava para pegar transporte público, para ir ao meu trabalho e depois para a faculdade virou um espaço para eu descansar entre uma coisa e outra. E aí eu posso assistir um vídeo que eu quero ou um episódio de uma de uma série que eu quero. Eu com certeza passei a consumir mais produtos de entretenimento no geral.”

Que a pandemia trouxe novos hábitos de consumo para a população já não é novidade. E o modo de consumir cultura faz parte dessas transformações como explica Murilo Oliveira, especialista em marketing de influência. “No começo, esperava-se que o púbico não teria uma aceitação tão grande porque a interação entre artista e fã a partir de uma tela parece que é um pouco frio. Só que os artistas conseguiram trazer essa interação e esse engajamento para dentro das telas dos smartphones e para dentro dos computadores”, explica. Com o fechamento de cinemas, museus, teatros e casas de shows, o setor foi obrigado a se reinventar para não perder o público. Um estudo feito pelo Datafolha entre os dias 5 e 14 de setembro, com mais de 1.500 pessoas de todo o país, mostra que 90% dos entrevistados afirmam usar o celular como ferramenta para se manterem conectados à arte e ao entretenimento por meio do mundo digital. Entre as atividades mais procuradas, em primeiro lugar estão séries e filmes com 73%, shows e apresentações musicais vem em seguida com 60% das escolhas e, em terceiro lugar, aparecem atividades que envolvem teatro, dança e circo com 28%.

O levantamento apontou ainda que o consumo de cultura na pandemia contribuiu para melhorar a qualidade de vida dos brasileiros durante o confinamento. Para 54% dos brasileiros fazer uma atividade cultural ajudou diminuir o sentimento de solidão e 45% das pessoas sentiram queda no estresse e na ansiedade. Já 58% sentem que as atividades melhoram o relacionamento com as outras pessoas da casa. No entanto, apesar do aumento na procura por atividades culturais a distância, poucas pessoas disseram na pesquisa que vão dar continuidade ao consumo pelo celular após a chegada a vacina.

*Com informações da repórter

Últimas

Fernando Zor fica indignado com mensagem que seguidor mandou para sua filha: ‘Sem noção’

O cantor Fernando Zor compartilhou nas redes sociais que ficou indignado ao ver que um seguidor da sua filha mais velha, Kamily, de 18...

Maisie Williams, de ‘Game of Thrones’, busca vingança pela morte do pai em nova minissérie da HBO

A HBO Max divulgou na quarta-feira, 28, o trailer da sua nova minissérie, “Two Weeks to Live“, protagonizada por Maisie Williams, de “Game of...

Com piora global da saúde mental, OMS pede mais investimentos no setor

Por conta do aumento de problemas de saúde mental no mundo todo durante a pandemia da Covid-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu,...

Produções da Marvel serão retiradas do catálogo da Netflix

essica Jones é uma das produções que serão retiradas da plataforma Os assinantes da Netflix poderão assistir as produções da Marvel na plataforma apenas até 1º...

Riva detalha tentativa de comprar silêncio de empresário delator por R$ 5 milhões

Ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), José Riva detalhou à Justiça Federal a tentativa comprar por R$ 5 milhões o silêncio do...