Bolsonaro alega excesso, por issodemissão de ministro do turismo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconheceu nesta quinta-feira (10), durante sua live semanal, que houve excesso por parte do agora ex-ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, demitido nesta quarta (9).

Bolsonaro negou, porém, que a saída de Álvaro Antônio e a futura nomeação de Gilson Machado, presidente da Embratur, sejam uma tentativa de conquistar apoio na Câmara dos Deputados às vésperas da eleição para a presidência da Casa, onde o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do centrão, concorre com o apoio do governo.

A decisão pela exoneração foi tomada após Álvaro Antônio ter enviado uma mensagem em um grupo interno do governo, acusando o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, de ser “traíra” e de negociar com o Congresso “a um preço altíssimo”.

“Houve excesso, mas está resolvido. Infelizmente nós exoneramos o ministro Marcelo Álvaro Antônio, mas ele continua amigo nosso e no quê pudermos ajudá-lo, ajudaremos”, disse Bolsonaro na noite desta quinta.

Pivô do esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais, Álvaro Antônio foi indiciado pela Polícia Federal sob suspeita dos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa –com pena de cinco, seis e três anos de cadeia, respectivamente. O agora ex-ministro do Turismo também é alvo de denúncia pelo Ministério Público de Minas Gerais.

Na live, Bolsonaro criticou os jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo por veicular que a demissão de Álvaro Antônio já estava definida antes mesmo do episódio envolvendo o ministro Ramos. Isso porque o presidente pretendia, no futuro, dar o cargo a um parlamentar, segundo publicaram os jornais.

“Folha de S.Paulo, não teve nada de negociação. Impressionante, ou a Folha deturpa o que fala ou inventa. O Estado e a Folha parecem marido e mulher, vivem juntos, cheios de amor. O Estado de S. Paulo diz: ‘Demissão do Turismo expõe ofensiva do governo na Câmara’. Ou seja, eu estaria entregando o ministério para alguém de um partido qualquer em troca de apoio na Câmara”, disse Bolsonaro.

O presidente afirmou que a posse de Machado no ministério deve ser marcada para a próxima semana. “Assinei hoje [quinta] o seu termo de posse. Vai ser publicado, vamos fazer um evento”, disse. Em seguida, Bolsonaro brincou com o futuro ministro que estava ao seu lado na live. “Você vai tomar posse segunda, ou quer deixar para quinta? Até lá posso me arrepender, hein?”, disse, aos risos.

Avatar

Últimas

Professor é assaltado durante aula online em SP e alunos assistem ao vivo

Um professor de faculdade teve a casa invadida e foi assaltado no meio de uma aula online na quarta-feira (4) no bairro da Freguesia...

PGR pede informações à Abin e ao GSI sobre supostos relatórios para defesa de Flávio Bolsonaro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta terça-feira (15) que pediu informações à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e ao Gabinete de Segurança...

‘Se Biden ganhar, governo de SP vai abrir um escritório nos EUA’, diz Doria

O governador de São Paulo, João Doria, afirmou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 5, que o Estado de São Paulo abrirá um escritório...

Hayley explica saída de membros do Paramore: ‘Não toleramos homofobia’

A vocalista do Paramore, Hayley Williams, utilizou as suas redes sociais na noite de quarta-feira, 28, para explicar a saída de alguns membros da...

CNJ abre processo para apurar conduta de juiz no caso Mariana Ferrer

A Corregedoria Nacional de Justiça vai apurar a conduta do juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, que atuou no julgamento do...