Governo admite pagamento de seguro-desemprego a mortos e culpa sistema

O Ministério do Trabalho e da Previdência admitiu que pode ter pagado seguro-desemprego a pessoas que já morreram.

A pasta explica que o sistema de gestão do benefício faz uma conferência com o Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis) para avaliar se o segurado faleceu antes de cada pagamento. “Contudo, a incorporação dessa informação ao Cnis leva alguns dias, o que pode permitir que pagamentos a segurados falecidos sejam realizados”, pontua, em nota.

Auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU), nessa terça-feira (24/5), identificou que o governo pode ter pagado, de maneira irregular, R$ 97,239 milhões em seguros-desemprego solicitados no ano passado.

Desse total, aproximadamente R$ 7,608 milhões foram destinados a pessoas que já estariam mortas.

Também foram encontrados pagamentos indevidos de R$ 78,6 milhões a beneficiários com outro vínculo ativo ou aposentados e pensionistas, e de R$ 9,9 milhões a trabalhadores demitidos por justa causa ou a pedido.

Além disso, a CGU levantou “situações de risco” que, apesar de não representarem falhas de controle, podem resultar em pagamentos em desacordo com os objetivos pretendidos pelo programa. Nessa situação, o governo federal pagou, por exemplo, R$ 599,7 milhões a pessoas com o CPF em situação diferente de “regular” na Receita Federal.

“As potenciais irregularidades identificadas representam menos de 1% do total de requerimentos processados no período”, ressaltou o Ministério do Trabalho.

A pasta assegurou que a gestão do benefício envolve diversas etapas de validação e segurança para evitar o pagamento indevido.

“Com relação às demais suspeitas de irregularidades, reforçamos que não se trata de informações que o Ministério ignorou no momento do pagamento, mas sim informações que só se tornaram disponíveis após o pagamento”, disse o órgão.

Metodologia

A Controladoria-Geral da União analisou os números do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) de 2021.

No caso do seguro-desemprego, a auditoria abarcou 2,641 milhões de requerimentos feitos entre 4 de janeiro e 8 de outubro. Os pedidos são de trabalhadores demitidos no primeiro semestre do ano passado.

Últimas

Isis Valverde não foi demitida: pediu para sair da Globo

Isis Valverde pegou os fãs de surpresa ao anunciar o fim do vínculo de 17 anos com a TV Globo . No entanto, a atriz não faz...

Céline Dion “não consegue mais sair da cama”, diz familiar

Após ter seus shows adiados em Las Vegas por questão de saúde, um familiar resolveu falar sobre o estado de saúde da cantora Celine...

“Aborto ilegal não é questão de saúde pública”, diz secretário do Ministério da Saúde

Na próxima terça-feira (28/6), o Ministério da Saúde fará audiência pública para discutir o conteúdo das diretrizes técnicas para prevenção, avaliação e conduta de...

CVM proíbe atuação da Harrison Investimentos que oferecia precatórios federais e curso de trade

VM determina que Harrison Investimentos pare com suas ofertas de valores mobiliários e estipula multa de até R$ 1 mil por dia...

Zezé Di Camargo presenteia mãe de Marília Mendonça com música da cantora

O cantor Zezé Di Camargo, de 59 anos, decidiu que vai entregar pessoalmente à Ruth Moreira, mãe de Marília Mendonça, seu feat inédito com...