Emissão de gases de efeito estufa cresce 9,6% em 2019

A emissão bruta de gases de efeito estufa cresceu 9,6% em 2019, o primeiro ano do governo do presidente Jair Bolsonaro. É o que mostra o oitavo relatório do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG) divulgado na manhã desta sexta-feira, 6, pelo Observatório do Clima, uma coalizão de pelo menos 56 organizações civis do Brasil. O país lançou 2,17 bilhões de toneladas brutas de dióxido de carbono equivalente (tCO2e) ano passado. Foram 1,98 bilhão em 2018. Uma queda na emissão foi observada entre 2004 e 2010. Porém 2019 voltou a registrar a maior quantidade de gases do efeito estufa desde 2005. Segundo o Observatório do Clima, o Brasil não deve cumprir a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) este ano. “No ritmo em que está e com os indicativos de que dispomos, o país não consegue cumprir a meta de 2020 e se afasta da de 2025″, disse Tasso Azevedo, coordenador do SEEG. “Estamos numa contramão perigosa. Desde 2010, ano de regulamentação da lei nacional de clima, o país elevou em 28% a quantidade de gases de efeito estufa que despeja no ar todos os anos, em vez de reduzi-la.”

O aumento é um reflexo do alto desmatamento na Amazônia e do aumento das queimadas no Pantanal. O relatório mostra que a quantidade de emissão de gases de efeito estufa referente as mudanças de uso da terra cresceu 23% em 2019, comparado ao ano anterior. A categoria é responsável por 44% das emissões brasileiras em 2019. Em seguida, vem a agropecuária, fortemente ligada ao rebanho bovino, com 28%. Foram 598,7 milhões de toneladas de CO2 em 2019. A soma da agropecuária e da agricultura mostram que a atividade rural respondeu por 72% das emissões do Brasil no ano passado. “O aumento das emissões não somente impacta nossos compromissos internacionais como ameaça a reputação do nosso agronegócio”, opinou Ane Alencar, diretora de Ciência do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), ao Observatório. Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará, Acre e Amazonas foram os estados com maior número de emissão per capita. Pernambuco e Distrito Federal registraram os menores.

Os novos resultados colocam o Brasil na sexta posição entre os maiores poluidores climáticos do mundo – subindo para quinto lugar quando se exclui a União Europeia. O país também ultrapassou a média mundial em 2019: cada cidadão brasileiro emitiu 10,4 toneladas brutas de CO2e, ante 7,1 da média mundial. “O país já chega devendo em 2021, ano em que deveria ter início o cumprimento da NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada), nossa meta nacional no Acordo de Paris”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo do OC. O Observatório do Clima deve apresentar ainda em 2020 uma proposta de NDC para o Brasil que seja compatível com 1,5o C, de acordo com as circunstâncias nacionais, a população, a responsabilidade histórica e o PIB do país, finaliza o relatório.

Últimas

Aleksandro faz imagens da estrada, horas antes do acidente

Era 04h45 do último sábado (07), quando o cantor sertanejo Aleksandro, de 34 anos, fez a última postagem nos stories do Instagram. Nas imagens, apenas a estrada....

Primeiro James Bond da história, Sean Connery morre aos 90 anos

O ator escocês Sean Connery morreu, aos 90 anos, na madrugada deste sábado, 31, enquanto dormia. Ele estava nas Bahamas, onde morava há duas...

Legal UX reúne grandes nomes do direito digital do país em feira on-line

Evento vai reunir 48 especialistas em cinco dias de atividades e acesso gratuito Os especialistas vão abordar onze vertentes trabalhadas dentro dos cursos...

Arctic Monkeys anuncia lançamento de álbum ao vivo

A banda Arctic Monkeys anunciou nesta quarta-feira, 28, o lançamento do álbum ao vivo “Arctic Monkeys Live At The Royal Albert Hall“. O show...

Atores de série da Netflix morrem em acidente de carro

Um acidente em Baja California Sur, em Mulege, no México, acabou tirando a vida dos atores Raymundo Garduño Cruz e Juan Francisco González Aguilar...