Bolsonaro edita decreto que permite à AGU arbitrar em temas eleitorais

O presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou um decreto que permite que a Advocacia-Geral da União (AGU) emita parecer final — no âmbito do Poder Executivo — se atos do governo neste ano ferem ou não a legislação eleitoral já durante o processo interno de elaboração desses atos.


Atualmente, as consultorias jurídicas dos ministérios dão seus pareceres sobre adequações dos atos às normas jurídicas. Com o decreto, caberá à AGU, como órgão central, arbitrar temas que envolvam matéria eleitoral.

A ideia do decreto é, portanto, antecipar o fluxo de consulta ao Advogado-Geral da União para antes do processo de elaboração dos atos normativos.

O decreto, que também é assinado pelos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (27/6).


Segundo a AGU, a edição do decreto visa “reduzir o quadro de insegurança jurídica”. O decreto altera um ato normativo de 2017 sobre normas e diretrizes para propostas de atos normativos por ministros de Estado.

“No último ano do mandato presidencial, todos os governantes se deparam com as limitações da legislação eleitoral e da legislação financeira. Entre as restrições normativas, encontram-se dispositivos cujos contornos são ambíguos e geram muitas dúvidas na aplicação prática”, diz a AGU.

O decreto publicado nesta segunda se insere no contexto de busca de medidas para mitigar o impacto da alta nos preços dos combustíveis. Para conceder um benefício a caminhoneiros e dobrar o vale-gás, por exemplo, a gestão Bolsonaro propõe a decretação de um estado de emergência, que permitirá romper os limites impostos pela lei eleitoral e pelo teto de gastos.

AGU consultou TSE em março

Em março deste ano, a AGU consultou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a possibilidade de o governo reduzir o preço do combustível em ano eleitoral. A Corte Eleitoral decidiu, por unanimidade, não julgar a consulta, por considerar que ela tinha alto grau de abstração.

O relator do caso, ministro Carlos Horbarch, considerou que a falta de objetividade torna o tema genérico e sem possibilidade de resposta. Os outros ministros acompanharam o relator integralmente.

Em resumo, devido ao grau de abstração do questionamento, a resposta poderia resultar em inúmeras interpretações. “À luz do entendimento do TSE, a abstração se traduz na completa desvinculação de casos concretos, o que deve ser aliado à necessária objetividade do questionamento, sob pena do cabimento de inúmeras respostas possíveis”, afirmou Horbarch em seu voto.

Últimas

OP Publicidade cresce e chega forte no mercado político em 2021

A OP Publicidade chega forte dentro do mercado político em 2021 e acaba de fechar um novo projeto de parceria com a Câmara Municipal...

São Paulo ganha semáforos em homenagem ao dia da Consciência Negra

Em homenagem ao Dia da Consciência Negra, a cidade de São Paulo ganhou sete novos semáforos que estimulam a luta contra o racismo. Em alguns...

Jadeu! Jade Picon é eliminada após confundir coragem com soberba.

Empresária, influenciadora e independente aos 13 anos: Jade Picon fez história no "BBB 22" (TV Globo) ao se jogar no programa e...

Ex-BBB Maria rebate fãs cobrando romance com Eliezer fora do BBB

A ex-BBB Maria, de 21 anos, não está gostando nada da cobrança dos fãs em cima de um possível relacionamento com Eliezer fora da casa mais vigiada...

Produções da Marvel serão retiradas do catálogo da Netflix

essica Jones é uma das produções que serão retiradas da plataforma Os assinantes da Netflix poderão assistir as produções da Marvel na plataforma apenas até 1º...