Às vésperas do começo do inverno, vacinação contra gripe está empacada

Mais de 70 dias após o início da vacinação contra a gripe, somente dois grupos que pertencem ao público-alvo prioritário da campanha atingiram 50% da meta. A imunização contra a influenza não deslancha, o que acendeu sinal de alerta no Ministério da Saúde, às vésperas do inverno – a estação começa na terça-feira (21/6)

O maior problema do adoecimento por gripe nesse período é que o acúmulo de enfermos pode pressionar os serviços de saúde do país.

Fazem parte dos grupos prioritários para a vacinação: crianças, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas, idosos e professores. Dessas pessoas, somente funcionários da saúde e idosos ultrapassaram metade do público a ser imunizado.

Ao todo, 56,8% dos idosos tomaram a dose de proteção contra a gripe. Dos trabalhadores da saúde, 56,4%.

Os dados foram analisados pelo Metrópoles, com base em material publicado pelo LocalizaSUS, plataforma de prestação de contas do Ministério da Saúde.

Gestantes e puérperas, que são mulheres que deram à luz em um período de até 45 dias, apresentam a menor procura pela proteção, com 32,3% e 33,3% do público imunizado, respectivamente.

Veja o percentual de vacinação, subdividido por categoria:

  • Puérperas – 33,3%
  • Povos indígenas – 45,5%
  • Gestantes – 32,3%
  • Crianças – 40,1%
  • Trabalhadores da saúde – 56,4%
  • Idosos – 56,8%
  • Professores – 42,9%

A baixa demanda preocupa o Ministério da Saúde. No começo do mês, a pasta prorrogou a campanha até 24 de junho. A ação estava prevista para ser encerrada em 3 de julho.

A partir de 25 de junho, estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população, enquanto durarem os estoques do imunizante. A iniciativa começou em 4 de abril.

Neste ano, o público-alvo soma 77,9 milhões de pessoas. Até sexta-feira (17/6), foram aplicadas 33,4 milhões de doses. O Ministério da Saúde distribuiu 79,9 milhões de unidades do fármaco.

Alerta

A infectologista Ana Helena Germoglio, professora assistente de medicina no Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e especialista em prevenção de infecções hospitalares, explica que vários motivos contribuem para a baixa adesão popular.

A especialista cita como exemplo os adoecimentos por dengue, entre o fim do ano passado e o começo deste ano, além dos casos de Covid-19, que voltaram a subir nas últimas semanas. “Muitas pessoas estão com quadro de Covid, então estão priorizando essa doença”, salienta.

Ana Helena Germoglio, contudo, faz críticas à campanha para atrair as pessoas. “Estamos com um chamamento público muito aquém do que a gente deveria ter. As pessoas esquecem que a influenza pode evoluir para quadros graves”, pondera.

A médica avalia que é preocupante o fato de as gestantes e puérperas estarem com baixa imunização. “Elas precisam se vacinar para quebrar o ciclo de transmissão”, conclui.

Últimas

A Fazenda 12: Mion anula poder da chama vermelha, Raissa sai da roça e Thays volta para berlinda

O apresentador do reality A Fazenda 12, Marcos Mion, entrou ao vivo na tarde desta quarta-feira, 28, para informar que o poder da chama...

Titi Gagliasso estrela primeiro comercial e a mamãe se derrete

A atriz Giovanna Ewbank mostrou, neste domingo (19), os bastidores do primeiro comercial protagonizado pela filha, Titi. Em vídeo, a pequena de oito aninhos aparece sendo maquiada...

O fechamento das agências de bancos

Noticia O Brasil perdeu 2.351 agências bancárias na pandemia. O Bradesco foi o que mais fechou, 1.527. O Brasil terminou 2021 com 2.351 agências a menos...

Polícia Militar realiza a operação “Grande ABC mais Seguro” na área do CPA-M6

Foi realizada em 27 de abril de 2021 uma grande Operação Policial na cidade de Santo André, área do 10ª Batalhão Metropolitano, com o...

Governo anuncia simplificações do eSocial e modernização de normas trabalhistas

O ministério da Economia trabalha com cenário de pós-pandemia no mercado de negócios. Por conta disso, o governo anunciou programa de eliminação da burocracia...