MPF denuncia três pessoas pelo assassinato de Bruno e Dom

De acordo com o MPF, já havia registro de desentendimentos entre Bruno e Amarildo por pesca ilegal em território indígena. O que motivou os assassinatos foi o fato de Bruno ter pedido para Dom fotografar o barco dos acusados.

O Ministério Público Federal denunciou Amarildo da Costa Oliveira, Oseney da Costa de Oliveira e Jefferson da Silva Lima por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver pelos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. Os crimes ocorreram no dia 5 de junho no Vale do Javari/AM.

A denúncia do MPF já foi recebida pelo juiz, que levantou o sigilo dos autos. Com isso, os três deixam de ser investigados e se tornam réus. 

No documento, o órgão explica que Amarildo e Jefferson confessaram o crime, enquanto Oseney teve a participação comprovada por depoimentos de testemunhas. A denúncia traz ainda prints de conversas e cita os resultados de laudos periciais, com a análise dos corpos e objetos encontrados.

De acordo com o MPF, já havia registro de desentendimentos entre Bruno e Amarildo por pesca ilegal em território indígena. O que motivou os assassinatos foi o fato de Bruno ter pedido para Dom fotografar o barco dos acusados, o que é classificado pelo órgão como motivo fútil e pode agravar a pena. Bruno foi morto com três tiros, sendo um deles pelas costas, sem qualquer possibilidade de defesa, o que também qualifica o crime. Já Dom foi assassinado apenas por estar com Bruno, de modo a assegurar a impunidade pelo crime anterior.  

O trabalho de apuração e elaboração da denúncia foi conduzido pela procuradora natural do caso, Nathália di Santo, lotada em Tabatinga, com a participação de quatro procuradores da República do Grupo de Apoio ao Tribunal do Júri: Samir Nachef Júnior, Edimilson da Costa Barreiro Júnior, Bruno Silva Domingos e Ricardo Pael Ardenghi. Vinculado à 2CCR – Câmara Criminal do MPF, o grupo auxilia nas apurações de crimes contra a vida processados na Justiça Federal. Os membros foram especialmente designados para reforçar a atuação do MPF tendo em vista a relevância do caso, que ganhou repercussão internacional, e a necessidade de se apresentar respostas céleres para uma região que registra conflitos crescentes.

De acordo com o coordenador da 2CCR, o subprocurador-Geral da República Carlos Frederico Santos, o MPF segue acompanhando o processo e seus desdobramentos, além de outros episódios de violência registrados na região. O local de tríplice fronteira (Brasil, Peru e Colômbia) tem sofrido com o aumento do crime organizado.



Últimas

Bia Kicis: Civilização ocidental está em risco e os conservadores precisam se unir

A deputada federal Bia Kicis (PSL-SP) é uma das parlamentas que tenta construir uma frente conservadora no Congresso Nacional na tentativa de destravar pautas...

Lateral Gabriel Sales confirma contato com clube piauiense para disputa do Estadual 2022

Antes cotado como promessa de um dos clubes pernambucanos, o lateral Gabriel Sales não jogará mais o Campeonato Pernambucano deste ano. Cobiçado no mercado,...

Filho de Flordelis ganha liberdade condicional e deixa prisão no Rio

 Carlos Ubiraci Francisco da Silva, filho da deputada federal cassada Flordelis dos Santos de Souza, deixou o presídio Evaristo de Moraes, em...

Aplub tem falência decretada

Medida tem como objetivo estancar a sangria financeira Com 56 anos de existência, a empresa acumula mais de...

Caixa paga abono salarial do PIS para trabalhadores da iniciativa privada nascidos em fevereiro; confira o calendário

A Caixa e o Banco do Brasil pagam aos trabalhadores da iniciativa privada nascidos em fevereiro recebem nesta quinta-feira, 10 de fevereiro, o abono...