Inflação do aluguel perde força em outubro em meio ao avanço do preço dos alimentos

Índice Geral de Preço – Mercado (IGP-M) avançou 3,23% em outubro, após subir 4,34% em setembro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira, 29. No ano, o indicador usado como base ao reajuste do aluguel acumula alta de 18,10%, e de 20,93% nos últimos 12 meses. Em outubro de 2019, o IGP-M havia subido 0,68% e somava valorização de 3,15% em 12 meses. A alta deste mês foi puxada pelo avanço de 4,15% do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que corresponde a 60% da formulação do IGP-M, ante 5,92% em setembro. O empuxo no setor foi liderado pela variação dos alimentos in natura, que subiram 9,28%. As outras duas variantes que compõem o índice, no entanto, apresentaram avanço. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que soma 30% do total, subiu 0,77% em outubro, ante 0,64% no mês anterior, enquanto o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que corresponde aos 10% faltantes, registrou alta de 1,69% em outubro e 1,15% em setembro. Em paralelo, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador oficial da inflação brasileira, acumula alta de 3,52% nos últimos 12 meses, segundo a prévia de outubro divulgada pelo IBGE.

Para Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, o resultado de outubro indica o arrefecimento das pressões que fizeram o índice disparar e alcançar níveis atípicos no mês passado. “A queda já era esperada para outubro com o arrefecimento da pressão cambial que tínhamos nos outros meses. Em novembro de dezembro teremos a redução do auxílio emergencial, o que vai gerar pressão menor para diversos alimentos, principalmente os alimentos. Outubro já desacelerou, e em novembro e dezembro o índice deve ser ainda menor”, afirma.

Na análise por estágios de processamento do IPA, a taxa do grupo Bens Finais subiu 2,84% em setembro. No mês anterior, o índice havia registrado alta de 2,83%. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de 0,34% para 9,28%, no mesmo período. O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, variou 2,37% em outubro, ante 3,00% no mês anterior. A taxa do grupo Bens Intermediários passou de 4,05% em setembro para 3,74% em outubro. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cujo percentual passou de 4,13% para -2,79%. O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 4,65% em outubro, contra 4,04% em setembro.

O estágio das Matérias-Primas Brutas variou 5,55% em outubro, ante 10,23% em setembro. Contribuíram para o recuo da taxa do grupo os seguintes itens: minério de ferro (10,81% para -0,71%), arroz em casca (38,93% para 9,20%) e leite in natura (9,52% para 3,29%). Em sentido oposto, destacam-se os itens soja em grão (14,32% para 14,96%), laranja (4,54% para 13,54%) e cana-de-açúcar (0,87% para 2,22%). “Nesta edição, o IGP-M foi influenciado pela trégua oferecida pelo minério de ferro que contribuiu para a desaceleração da taxa do IPA. A variação do preço da commodity passou de 10,81% para -0,71%, movimento que favoreceu o recuo da taxa do grupo matérias-primas brutas. Os demais índices componentes do IGP, permaneceram em aceleração. O IPC subiu 0,77%, ante 0,64% em setembro, alta influenciada pelo grupo alimentação.  Já o INCC subiu graças à aceleração do grupo materiais e equipamentos, cuja taxa passou de 2,97% para 4,12%”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,77% em outubro, ante 0,64% em setembro. O preço das passagens aéreas é destaque na categoria, cuja taxa passou de 23,74% em setembro para 34,21% em outubro. Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos Alimentação (1,30% para 1,90%), Saúde e Cuidados Pessoais (-0,52% para 0,04%), Vestuário (-0,48% para 0,29%) e Comunicação (0,03% para 0,08%). O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,69% em outubro, ante 1,15% no mês anterior. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de setembro para outubro: Materiais e Equipamentos (2,97% para 4,12%), Serviços (0,13% para 0,33%) e Mão de Obra (0,06% para 0,19%).

Além de influenciar o preços do mercado imobiliários, o IGP-M é usado como base para reajustes inflacionários de companhias telefônicas e energia elétrica, e também é um dos indexadores para contratos de prestação de serviço, educação e planos de saúde. Em comparação, o IPCA, o indicador oficial da inflação brasileira, acumula alta de 2,65% nos últimos 12 meses, segundo a prévia de setembro divulgada pelo IBGE na última semana. A disparidade entre os dois indicadores é explicado pela fórmula da conta: enquanto o IPCA leva em conta a variação de nove itens de consumo e bens, como alimentação, transporte e educação, o IGP-M é o resultado do IPA, IPC e INPC. Além de levar em consideração itens de bens e serviços, o indicador da FGV também considera matérias-primas utilizadas na produção agrícola, industrial e construção civil, e também itens de commodities, como milho, soja e minério de ferro, que possuem grande influência da variação do dólar.

 

Últimas

Quinta temporada de ‘This is Us’ estreia no Brasil um dia depois dos EUA

Notícia boa para os fãs da série “This is Us“: a estreia da quinta temporada foi antecipada para a noite de terça-feira, 27, nos...

Prefeito eleito Sivaldo Albino apresenta bons nomes para Secretariado

Prefeito eleito, Sivaldo Albino (PSB), anunciou agora pela manhã, na AESGA os nomes dos secretários e demais ocupantes de cargos de primeiro escalão do...

“Só quis me defender”, diz advogado preso após efetuar disparos contra manifestantes na BR-060

O advogado criminalista, BhenHur Rodrigo Bresciani, preso na tarde dessa segunda-feira (31), após efetuar três disparos de armas de fogo para o alto ao tentar furar...

Miss Universo muda regras e passa a aceitar mulheres casadas, divorciadas, grávidas e mães

O Miss Universo anunciou uma mudança importante em suas regras e, a partir de agora, passará a aceitar entre as participantes mulheres casadas, divorciadas, grávidas e...

Viih Tube anuncia que está grávida de seu primeiro filho

A influenciadora digital e ex-BBB Viih Tube usou as redes sociais para anunciar para seus fãs e seguidores que está grávida de seu primeiro filho. O...