Copom eleva Selic para 12,75% ao ano, maior patamar desde 2017

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (4/5), por unanimidade, elevar a taxa Selic de 11,75% para 12,75% ao ano – alta de um ponto percentual.

O aumento desta quarta é o décimo consecutivo na taxa. Com a decisão do Copom, a Selic alcançou o maior nível desde janeiro de 2017, quando a taxa básica de juros estava em 13%.

A alta da Selic já era esperada pelo mercado financeiro. No último Boletim Focus, a projeção era de que a taxa básica de juros encerrasse em 13,25% no fim deste ano.

O aumento da taxa básica de juros é o principal instrumento do Banco Central para enfrentar a inflação. Logo, o Copom tenta conter o movimento de alta de preços registrado nos últimos meses.

O Índice

Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, acelerou para 1,62% em março, após alta de 1,01% em fevereiro.

O aumento na Selic já era esperado pelo mercado financeiro. No mais recente Boletim Focus, publicado pelo Banco Central na última quinta-feira (26/4), a projeção era de que a taxa básica de juros encerrasse em 13,25% no fim deste ano.

O economista André Braz, da Fundação Getulio Vargas (FGV), explica que a Selic funciona como um “remédio” para conter a inflação, mas que “há efeitos colaterais”.

“Como todo remédio, a alta da Selic também tem efeitos colaterais. Quanto mais altos os juros, menos a economia cresce. Então ela não estimula o crescimento econômico. O crescimento só vem a partir do momento que as famílias voltam a consumir, as empresas ampliam a atividade produtiva e empregam pessoas”, afirmou

“Juros mais altos não estimulam compra de apartamento, compra de carro, compra de bens duráveis, viagens, tudo que necessita de crédito. O crédito fica mais caro a partir do momento da alta dos juros. E esfriando a demanda você tem então uma inflação um pouco menor”, acrescentou.

O que o Copom argumentou

Em nota, o Comitê de Política Monetária disse é “provável” que a taxa básica de juros siga em alta até a próxima reunião, marcada para junho, mas em “menor magnitude”.

“O Comitê nota que a elevada incerteza da atual conjuntura, além do estágio avançado do ciclo de ajuste e seus impactos ainda por serem observados, demandam cautela adicional em sua atuação”, disse o colegiado no comunicado.

Para o colegiado, a Selic em 12,75% “reflete a incerteza ao redor de seus cenários e um balanço de riscos com variância ainda maior do que a usual para a inflação prospectiva”.

Ao descrever o cenário que embasou a decisão, o comitê afirmou que “as pressões inflacionárias decorrentes da pandemia se intensificaram com problemas de oferta advindos da nova onda de Covid-19 na China e da guerra na Ucrânia. A reprecificação da política monetária nos países avançados eleva a incerteza e gera volatilidade adicional, particularmente nos países emergentes”.

“A inflação ao consumidor seguiu surpreendendo negativamente. Essa surpresa ocorreu tanto nos componentes mais voláteis como nos itens associados à inflação subjacente. As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação”, afirmou o grupo.

Mais de um ano de juros em alta

Com a decisão unânime do Copom, a taxa Selic completa um ano e um mês de alta nos juros. O processo de aumento da taxa teve início em março de 2021.

A alta dos juros é consequência, por exemplo, do aumento das taxas bancárias. No ano passado, os juros das instituições financeiras do país atingiram o maior nível em seis anos.

Com os empréstimos mais caros, o aumento da Selic tende a influenciar o consumo da população de forma negativa. O Produto Interno Bruto (PIB) e os saldos de emprego e de renda também são impactados negativamente.

Últimas

Dono do Sistema de Comunicação de Pernambuco, Robson Ouro Preto, se destaca como um dos maiores comunicadores do Estado

Quando se fala no sistema de comunicação no Estado de Pernambuco, é impossível não lembrar de Robson Ouro Preto, que se destaca não só em...

Tony Sirico, astro de ‘The Sopranos’, morre aos 79 anos

Tony Sirico, um dos principais astros da série The Sopranos, em que interpretou Paulie, morreu na manhã da última sexta-feira (8), aos 79 anos de...

Eduardo Costa torce para ex, Victória Villarim, ser eliminada na roça: ‘Já deu’

Após a formação da sétima roça de A Fazenda 12, formada na noite de terça-feira, 28, Eduardo Costa utilizou suas redes sociais para declarar que...

Tapa de Will Smith no rosto de Chris Rock marca cerimônia do Oscar 2022

Reprodução/Grosby Group A noite mais importante para o cinema mundial aconteceu no último domingo (27) e foi marcada por uma polêmica. O ator Will Smith...

Estado de São Paulo desobriga uso de máscara em lugares abertos

O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou a desobrigação do uso de máscara de proteção contra covid-19 em...