Condições meteorológicas e atitudes do piloto levaram à morte de Gabriel Diniz

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), divulgou na quinta-feira, 29, o relatório final sobre o acidente de avião que causou a morte do cantor sertanejo Gabriel Diniz em 27 maio de 2019. O dono do hit “Jenifer” morreu aos 28 anos em Porto do Mato, no município de Estância, em Sergipe. Segundo a Cenipa, condições meteorológicas adversas, altitude e algumas atitudes do piloto contribuíram para a queda da aeronave de pequeno porte. Os pilotos Linaldo Xavier e Abraão Farias também faleceram no acidente.

“Identificados por camada de nuvens baixas e precipitações de intensidade moderada a forte, com instabilidade atmosférica, associadas à nuvem TCU, interferiu na operação da aeronave de forma determinante”, aponta o relatório. De acordo com a Cenipa, o piloto não respeitou os mínimos de visibilidade e de distância de nuvens em Condições Meteorológicas de Voo Visual e não avaliou adequadamente os parâmetros para o prosseguimento do voo em condições meteorológicas desfavoráveis. “Houve inadequação nos trabalhos de preparação realizados pelo piloto para aquele tipo de operação”, diz o centro sobre o planejamento de voo. “A decisão de manter o voo para Maceió, em condições incompatíveis com o voo visual, demonstraram fragilidades na avaliação da situação, cujos prováveis impactos na segurança do voo não foram adequadamente considerados”, completa a Cenipa, que acredita que o fato de transportar um artista que possuía compromissos familiares no destino tornou-se um dado relevante para a tomada de decisão, em detrimento a relevantes aspectos relativos à manutenção da segurança da operação.

Em resumo, os fatores que contribuíram para a queda do avião:

  • Atitude
  • Condições meteorológicas adversas
  • Indisciplina de voo
  • Julgamento de pilotagem
  • Planejamento de voo
  • Processo decisório

Um ano após o acidente, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concluiu que o táxi aéreo era ilegal e autuou o Aeroclube de Alagoas, segundo nota da Anac obtida pelo G1. “A aeronave de matrícula PT-KLO estava registrada na categoria “Instrução” e não poderia prestar serviço fora da sua finalidade, incluindo o transporte remunerado de pessoas”, diz o documento. De acordo com o delegado da PF em Sergipe, Márcio Alberto Gomes Silva, a Polícia Federal aguardava o laudo do Instituto Nacional de Criminalística (INC) da PF e da Cenipa para concluir a investigação.

Últimas

Gerard Piqué é vaiado e provocado aos gritos de ‘Shakira’ em jogo do Barcelona

Depois de anunciar o término do casamento com Shakira por conta de uma suposta traição, Gerárd Piqué voltou a campo em um clássico e...

Polícia Federal prende ex-ministro da Educação Milton Ribeiro

A Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na manhã desta quarta-feira (22/6), em operação que investiga esquema de corrupção envolvendo pastores evangélicos durante...

Justiça anula demissão de 747 funcionários da Renault

Montadora irá recorrer da decisão Segundo a Justiça do Trabalho, Renault descumpriu um termo de compromisso firmado com...

Cubanos são resgatados de ilha deserta nas Bahamas depois de mais de 1 mês naufragados

A guarda-costeira dos Estados Unidos resgatou, na terça-feira (9), três cubanos que ficaram naufragados por 33 dias no Cayo de Anguilla, uma pequena ilha deserta nas Bahamas. Dois...

Athletico Paranaense tem adversário mais difícil na Libertadores

Assim que surgiu a confirmação dos oito casos de covid no Atheltico Paranaense, uma mensagem chegou de Belo Horizonte, da Cidade do Galo, centro...