‘Se Biden ganhar, governo de SP vai abrir um escritório nos EUA’, diz Doria

O governador de São Paulo, João Doria, afirmou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 5, que o Estado de São Paulo abrirá um escritório nos Estados Unidos caso o candidato democrata Joe Biden seja eleito presidente do país. “Se houver a vitória de Joe Biden nos Estados Unidos, o governo do Estado de São Paulo vai abrir um escritório na América no ano que vem, é uma informação em primeira mão”, disse o governador, após anunciar para o mês de junho de 2020 a abertura de um escritório comercial do estado em Munique, na Alemanha. Até o momento, São Paulo tem dois escritórios internacionais no mundo: um em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e outro em Xangai, na China.

Doria não deu detalhes sobre como a abertura de um escritório comercial do estado nos EUA ocorreria, mas falou sobre as diferentes expectativas para São Paulo, Brasil e América Latina caso o democrata seja eleito presidente. “Evidentemente vamos aguardar o resultado das eleições, mas antecipo que, se eleito for, Joe Biden terá uma outra visão em relação ao continente latino-americano. De forma mais integradora, ao meu ver”, disse. Para Doria, um dos pontos importantes da possível eleição de Biden é que “os Estados Unidos da América são um parceiro importante, é o segundo maior parceiro comercial do Brasil, o segundo maior parceiro comercial do estado de São Paulo. Poderemos com a confirmação da eleição de Joe Biden como presidente dos EUA fortalecer ainda mais essa relação e ao mesmo tempo retirar esse estigma de contrariedade em relação à China”, afirmou.

O sentimento de contrariedade em relação à China foi um dos motivos de trocas de farpas entre o governador João Doria e o presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas. Após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sinalizar a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan com tecnologia chinesa no estado de São Paulo, o governador João Doria elogiou o esforço do presidente pelo “bem coletivo” nas redes sociais, o que gerou críticas de apoiadores. Após as críticas, o presidente voltou atrás e garantiu em entrevista exclusiva à Jovem Pan que não incluiria as vacinas chinesas no calendário de imunização brasileiro mesmo que elas fossem aprovadas pela Anvisa.

Últimas

Desemprego atinge 14 milhões em novembro, maior nível da pandemia

O desemprego diante da pandemia do coronavírus bateu novo recorde em novembro, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de...

Bolsonaro diz que críticas da UE sobre a Amazônia são ‘completamente infundadas’

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que as críticas de países da União Europeia (UE) sobre o desmatamento no Brasil são “completamente infundadas”,...

Jáder Cysneiros se destaca na técnica do acrílico sobre tela

Natural de Garanhuns, no agreste pernambucano, Jáder Cysneiros se destaca na técnica do acrílico sobre tela. Técnica que foi adquirida desde cedo quando manifestou...

Guedes diz que o pior da crise já passou e que o Brasil voltará a gerar empregos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a comemorar o que ele chama de recuperação da economia brasileira. Segundo ele, em um momento em...

Guedes prevê queda de 4% para o PIB em 2020; Campos Neto projeta recuo de 4,5%

As duas principais autoridades na condução da economia brasileira divulgaram estimativas diferentes para o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2020. Enquanto o...