‘Brasil precisa de juros baixos para recuperar a atividade econômica e o emprego’, diz Carlos Kawall

O congelamento da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, em 2% ao ano, conforme anunciado na quarta-feira, 28, pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), pavimentará o caminho para a retomada das atividades econômicas e a recuperação do mercado de trabalho em 2021. A despeito da guinada da inflação nos últimos meses, o Banco Central acertou em manter a taxa básica de juros da economia brasileira ao menor patamar da história, e deve esperar ainda todo o próximo ano antes de iniciar o movimento contrário aos cortes adotado nos últimos 15 meses, e ajustar a Selic para cima a partir de 2022. Esta é a opinião de Carlos Kawall, diretor da Asa Investments e ex-secretário do Tesouro Nacional, em entrevista à Jovem Pan. “Não vamos, no final do ano que vem, recuperar sequer o nível de atividades que tínhamos no fim de 2019, com uma taxa de desemprego muito mais alta do que tínhamos antes. Por isso, se recomenda a manutenção da taxa em um nível baixo, num momento em que a inflação, embora mais alta neste fim de ano, ainda está substancialmente abaixo da meta.”

Segundo o economista, os impactos da pandemia do novo coronavírus na economia brasileira, evidenciada pela disparada do desemprego e pela retração histórica do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre, devem perdurar ao longo de 2021, ainda que arrefecidos pelos estímulos empregados pelo governo federal e pelo BC nos últimos meses. Além disso, o estímulo gerado pelos juros baixos em setores fundamentais da economia, como o setor de construção, deve se tornar um novo eixo para a retomada. “Nesse momento, estamos vendo um grande crescimento dos financiamentos imobiliários e na indústria da construção civil, porque os juros estão excepcionalmente baixos. Precisamos desses juros baixos para recuperar a atividade econômica e o emprego”, afirma.

A guinada do IPCA, o índice oficial da inflação brasileira, nos últimos meses, impulsionada principalmente pela disparada do preço dos alimentos, não traz riscos de descontrole generalizado. Para Kawall, o acumulo de 3,14% no índice nos últimos 12 meses encerrados em setembro ainda representa um larga folga ante a meta de 4% estimada pelo Banco Central — com possibilidade de variação entre 2,5% até 5,5% —, para este ano. O boletim Focus, divulgação semanal com as expectativas de analistas para a economia, alterou para 2,99% a previsão de inflação neste ano, ante projeção de 2,05% há quatro semanas. “O consenso do mercado prevê uma taxa de juros subindo já em 2021, chegando no final do ano em 2,75%. Mas nós descordamos dessa visão por entender que a inflação vai continuar baixa e a recuperação da economia vai ser mais lenta do que a prevista pela maioria dos economistas”, afirma o ex-secretário do Tesouro Nacional. 

O Banco Central estima que a inflação em 2021 ficará em 3,75%, também com variação de 2,5 pontos percentuais para cima ou para baixo, ante expectativa de 2,08% da Asa Investments. Segundo Kawall, manter o congelamento da Selic ao nível mais baixo da história também depende dos reflexos que ações do governo federal, como a manutenção do teto de gastos e honrar os compromissos fiscais, terão na economia ao longo do próximo ano. “Se a inflação está abaixo da meta, e há ociosidade e desemprego, o juro vai para baixo. Mas, se isso mudar, o BC muda também. Porém, continuamos numa situação que a inflação está muito abaixo da meta, um quadro bastante grave de atividade econômica deprimida, e desemprego muito alto. O regime de metas da inflação, nesse contexto, recomenda o que o Banco Central chama de política monetária estimulativa para ajudar na recuperação da atividade econômica”, afirma.

Últimas

São Paulo: Parque Ibirapuera volta a fechar quadras poliesportivas e parquinhos

Por causa da presença de quase 70 mil pessoas no feriado prolongado, a Urbia Gestão de Parques, responsável pelo Parque Ibirapuera, em São Paulo, decidiu...

Alan Cimerman fecha parceria com palestrante Marcos Malaquias

Um dos maiores nomes do ramo empresarial do país, Alan Cimerman fechou parceria com palestrante Marcos Malaquias. Empresário e Palestrante fecharam uma parceria para difundirem...

Lauren Jauregui comenta fanfic com Camila Cabello: ‘Me deixava desconfortável’

Camila Cabello saiu do Fifth Harmony em 2017, mas a relação dela com a ex-companheira de banda Lauren Jauregui ainda dá o que falar....

Frederico Sanchez Resende da GES logística vem ajudando o desenvolvimento energético no Brasil

A GES Logística, empresa especializada no segmento de transporte de cargas, vem a cada dia solidificando seu compromisso com o desenvolvimento energético no Brasil....

Conservador, pouco diversificado e com baixa liquidez: um retrato do patrimônio dos candidatos das eleições de 2020

SÃO PAULO – Se os políticos são um retrato da sociedade que representam, é fundamental analisar a maneira como pensam, agem e se organizam....