Barroso determina prosseguimento do impeachment de Carlos Moisés

Segundo o ministro, a decisão da Justiça estadual ofendeu o entendimento do STF

Ao suspender o trâmite do processo, o TJ-SC entendeu que a Alesc teria suprimido as fases referentes ao exercício da ampla defesa e do contraditório

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o prosseguimento do processo de impeachment por crime de responsabilidade contra o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés. Barroso deferiu pedido de liminar ajuizado pela Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc) na Reclamação (RCL) 42627, ajuizada contra decisão do Tribunal de Justiça do estado (TJ-SC) que havia suspendido o processo, diante de possíveis irregularidades na fase de admissão da denúncia.

Ao suspender o trâmite do processo, o TJ-SC entendeu que a Alesc teria suprimido as fases referentes ao exercício da ampla defesa e do contraditório. Na reclamação, a Alesc argumentou que, na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 378, o Supremo chancelou à Câmara dos Deputados a atribuição para efetuar a admissibilidade do processo de impeachment. A Assembleia também defendeu que, de acordo com a Súmula Vinculante (SV) 46, compete à União a definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de processo e julgamento.

Em sua decisão, Barroso explicou que a competência estabelecida pelo Supremo por meio da SV 46 foi exercida na edição da Lei do Impeachment (Lei 1.079/1950), de observância obrigatória para os Estados e que, portanto, deve ser reproduzida nas Constituições estaduais e nos Regimentos Internos das Assembleias Legislativas. A norma disciplinou o procedimento de impeachment do presidente da República e dos governadores.

Barroso também lembrou que o Plenário, ao analisar o rito de impeachment de presidente da República previsto na Lei 1.079/1950, reconheceu que a Constituição de 1988 alterou o papel institucional da Câmara dos Deputados, atribuindo-lhe apenas a admissibilidade do processo. Na ocasião, a Corte declarou não recepcionada pela Constituição de 1988 a previsão de dupla deliberação naquela Casa e a produção de provas entre elas. Assim, o TJ-SC, ao divisar a necessidade de dilação probatória na fase de admissão da denúncia, acabou por afrontar o decidido na ADPF 378.

Segundo Barroso, a decisão do Judiciário estadual também ofendeu o entendimento do STF ao determinar a suspensão de processo de impeachment cujo procedimento já garante a ampla defesa, pois o procedimento definido pela Alesc tem conteúdo semelhante ao dispositivo do Regimento Interno da Câmara dos Deputados em que foi garantido o direito ao exercício de defesa naquela Casa, reconhecido no julgamento da ADPF 378.

O pedido de impeachment do governador, da vice-governadora Daniela Reinehr e do secretário de Estado da Administração, Jorge Tasca,foi motivado pela concessão de aumento salarial por ato administrativo, no ano passado, aos procuradores, visando à isonomia salarial com os procuradores jurídicos da Alesc. Os deputados decidiram estender a responsabilização a Daniela sob a alegação de que ela teria tomado conhecimento da equiparação salarial dos procuradores do Estado quando estava no comando de Santa Catarina, em janeiro.

Últimas

“Estou sem rumo”, diz filha de Tom Veiga após a morte do pai

Alissa Veiga, filha de Tom Veiga, usou o Twitter para desabafar após a morte inesperada do pai. A notícia de que o intérprete de...

Arctic Monkeys anuncia lançamento de álbum ao vivo

A banda Arctic Monkeys anunciou nesta quarta-feira, 28, o lançamento do álbum ao vivo “Arctic Monkeys Live At The Royal Albert Hall“. O show...

Andréia Sadi e André Rizek serão pais de gêmeos

O casal de jornalistas Andréia Sadi e André Rizek serão pais de gêmeos. A notícia foi informada pelos apresentadores da Globo durante a participação...

Lady Gaga aparece com looks icônicos para pedir que fãs votem

A cantora Lady Gaga usou seu alcance nas redes sociais para pedir que os norte-americanos votem nesta eleição. Para chamar a atenção para o...

Pandemia afeta tratamentos contra câncer; uso da quimioterapia diminuiu 14%

Os procedimentos oncológicos tiveram uma queda considerável durante a pandemia da Covid-19. É o que aponta uma pesquisa da Caixa de Previdência e Assistência...